INFLUENCE OF THREE TREATMENT PROTOCOLS FOR DENTAL FLUOROSIS IN THE ENAMEL SURFACE: AN IN VITRO STUDY

  • Rodrigo Lins Department of Restorative Dentistry, Piracicaba Dental School, University of Campinas, Piracicaba, SP, Brazil
  • Ana Karina Maciel de Andrade Department of Restorative Dentistry, Federal University of Paraíba, João Pessoa, PB, Brazil
  • Rosângela Marques Duarte Department of Restorative Dentistry, Federal University of Paraíba, João Pessoa, PB, Brazil
  • Sônia Saeger Meireles Department of Restorative Dentistry, Federal University of Paraíba, João Pessoa, PB, Brazil http://orcid.org/0000-0001-7328-2991

Resumo

Introdução: A fluorose dentária é uma alteração do esmalte caracterizada por manchas opacas causadas pela alta exposição aos íons fluoreto durante o desenvolvimento dentário. Objetivo: Este estudo in vitro objetivou avaliar mudanças na superfície do esmalte em dentes humanos hígidos após três protocolos de tratamento para a fluorose dentária: microabrasão com ácido fosfórico a 37% e pedra-pomes, clareamento caseiro com peróxido de carbamida a 10% e a associação destas técnicas. Métodos: Trinta e oito espécimes (5×5×2 mm) com superfície em esmalte foram obtidos a partir de 19 terceiros molares, sendo que dois não receberam tratamento e, trinta e seis foram randomizados em três grupos (n= 12): MAB- microabrasão do esmalte; CP10- clareamento caseiro; e MAB+CP10- associação destas técnicas. A rugosidade superficial e microdureza foram realizadas antes e após os protocolos de tratamento. Dois espécimes representativos de cada grupo foram avaliados por microscopia eletrônica de varredura (MEV). A análise de variância e teste de Tukey foram utilizados para análise dos resultados (p< 0,05). Resultados: Todos os protocolos de tratamento promoveram um aumento da rugosidade superficial do esmalte (p< 0,02). MAB e MAB+CP10 mostraram um aumento significativo da microdureza do esmalte (p<0,04), enquanto que CP10 mostrou uma menor microdureza comparado ao MAB e ao MAB+CP10 (p< 0,05). As imagens de MEV demonstraram uma superfície mais lisa do MAB e MAB+CP10 e um padrão irregular do esmalte erodido para o CP10. Conclusão: Os protocolos testados para tratamento da fluorose dentária testados modificaram significativamente a rugosidade, microdureza e micromorfologia do esmalte.

Biografia do Autor

Rodrigo Lins, Department of Restorative Dentistry, Piracicaba Dental School, University of Campinas, Piracicaba, SP, Brazil

Doutorando em Dentística Restauradora, Departmento de Odontologia Restauradora, Universidade de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Piracicaba, SP, Brasil.

Ana Karina Maciel de Andrade, Department of Restorative Dentistry, Federal University of Paraíba, João Pessoa, PB, Brazil

Professor Associado, Departmento de Odontologia Restauradora, Universidade Federal da Paraiba, João Pessoa, PB, Brasil.

Rosângela Marques Duarte, Department of Restorative Dentistry, Federal University of Paraíba, João Pessoa, PB, Brazil

Professor Titular, Departmento de Odontologia Restauradora, Universidade Federal da Paraiba, João Pessoa, PB, Brasil.

Sônia Saeger Meireles, Department of Restorative Dentistry, Federal University of Paraíba, João Pessoa, PB, Brazil

Professor Associado, Departamento de Odontologia Restauradora, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Publicado
2019-05-21
Como Citar
LINS, Rodrigo et al. INFLUENCE OF THREE TREATMENT PROTOCOLS FOR DENTAL FLUOROSIS IN THE ENAMEL SURFACE: AN IN VITRO STUDY. Revista Científica do CRO-RJ (Rio de Janeiro Dental Journal), [S.l.], v. 4, n. 1, p. 79-86, maio 2019. Disponível em: <http://revcientifica.cro-rj.org.br/index.php/revista/article/view/84>. Acesso em: 24 jun. 2019.
Seção
Artigos