DENTAL IMPLANTS PLACED BUCCALLY TO THE MANDIBULAR CANAL IN MOLAR REGIONS WITH SEVERE VERTICAL BONE LOSS: CASE REPORTS

  • Nilo Guliberto Martins Chavarry Department of Dental Clinic, Division of Periodontics, Dental School, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brazil

Resumo

Introdução: A perda óssea alveolar severa em região posterior de mandíbula é um sério fator limitante para instalação de implantes dentários osseointegráveis. Novas técnicas cirúrgicas são necessárias visando contornar a falta de osso vertical. Objetivo: O objetivo deste estudo foi apresentar uma técnica alternativa de inserção de implante dentário na região posterior lateral da mandíbula em pacientes com atrofia vertical severa de rebordo alveolar.  Relatos de casos: Foram selecionados 4 pacientes com características anatômicas específicas que atendiam aos requisitos da técnica. Seis implantes foram instalados lateralmente ao canal mandibular por vestibular e foram restaurados após o tempo de cicatrização de pelo menos dois meses. A média da avaliação de seguimento do implante foi de 3 anos. Nenhum implante foi perdido e todos eles atenderam às exigências estéticas e funcionais da oclusão, estando em ótimas condições clínicas. Conclusão: A técnica mostrou-se minimamente invasiva, segura, conservadora e eficaz como alternativa de tratamento para reabilitação dentária em regiões posteriores de mandíbula com atrofia óssea severa.  Entretanto, ela requer experiência, preparo e habilidade do profissional que visa não lesionar o nervo alveolar inferior e, ao mesmo tempo, instalar corretamente o implante em uma posição que permita sua restauração funcional e estética.

Publicado
2019-05-22
Como Citar
CHAVARRY, Nilo Guliberto Martins. DENTAL IMPLANTS PLACED BUCCALLY TO THE MANDIBULAR CANAL IN MOLAR REGIONS WITH SEVERE VERTICAL BONE LOSS: CASE REPORTS. Revista Científica do CRO-RJ (Rio de Janeiro Dental Journal), [S.l.], v. 4, n. 1, p. 107-113, maio 2019. Disponível em: <http://revcientifica.cro-rj.org.br/index.php/revista/article/view/76>. Acesso em: 24 jun. 2019.
Seção
Relato de Caso